Eu sou Nádia Campos, Psicóloga graduada pela Universidade de Uberaba, com Formação em Terapia Comunitária pela Interface/SP.
Meu trabalho sempre esteve ligado a área social e comunitária, o que me possibilitou adquirir uma boa experiência no atendimento psicoterápico, devido à diversidade dos "casos" atendidos.  Hoje trabalho no atendimento às pessoas que por algum motivo estão impossibilitados de se encaminharem a alguma clínica de psicologia, trabalho este denominado Home Care, ou seja, trabalho com  o Atendimento Psicológico Domiciliar, e paralelamente a este realizo Grupos de Terapia Comunitária.

34-3261-1666
34-9665-5330
Email:
nadiacamp@yahoo.com.br

"...muitos de nós se desiludem da realidade,considerando-a cruel,mas o que não percebem é que são nossos sonhos ideológicos e fanTasiosos que apagam a beleza da realidade..."

 

 

Livros:

Porque escolhi você? Autor: Steve Biddulph e Shaaron Biddulph


Quem me roubou de mim? Autor: Pe. Fabio de Melo

  - 21/03/2010 a 27/03/2010
-
24/01/2010 a 30/01/2010
-
10/01/2010 a 16/01/2010
-
03/01/2010 a 09/01/2010
-
27/12/2009 a 02/01/2010
-
13/12/2009 a 19/12/2009
-
06/12/2009 a 12/12/2009
-
29/11/2009 a 05/12/2009
-
15/11/2009 a 21/11/2009
-
08/11/2009 a 14/11/2009
-
25/10/2009 a 31/10/2009
-
11/10/2009 a 17/10/2009
-
04/10/2009 a 10/10/2009
-
20/09/2009 a 26/09/2009
-
13/09/2009 a 19/09/2009
-
06/09/2009 a 12/09/2009
-
30/08/2009 a 05/09/2009
-
23/08/2009 a 29/08/2009
-
09/08/2009 a 15/08/2009
-
02/08/2009 a 08/08/2009
-
26/07/2009 a 01/08/2009

     

 



Para Refletir

 

ABRAÇANDO A IMPERFEIÇÃO

 

 

Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, na hora do jantar.
E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho muito duro.
Naquela noite longínqua, minha mãe pôs um prato de ovos, lingüiça e torradas bastante queimadas defronte ao meu pai. Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato.
Tudo o que meu pai fez, foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.
Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geléia e engolindo cada bocado.
Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada.
E eu nunca esquecerei o que ele disse:   “Baby, fica tranqüila, eu adoro torrada queimada."
Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada. Ele me envolveu em seus braços e me disse:
"- Companheiro, sua mãe teve hoje um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada. Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém. A vida é cheia de imperfeições e as pessoas também não são perfeitas. Assim como eu também não sou um melhor empregado, ou cozinheiro!"
O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.

  

"As pessoas sempre se esquecerão do que você lhes fez, ou do que lhes disse mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as acolheu e valorizou."